Programação do tempo

Geral

Técnicas de programação de tempo são utilizadas para desenvolver e apresentar horários que mostram quando o trabalho será realizado e quando os produtos serão entregues. Os objetivos da programação de tempo são:

  • construir um modelo para uso em análises numéricas;
  • calcular datas para componentes de trabalho;
  • determinar onde há flexibilidade no cronograma.

O procedimento de programação de tempo tem três etapas.
 


Uma vez identificado o trabalho, é construído um modelo que reflete a sequência de trabalho e o tempo necessário para completar cada componente. Este "modelo lógico" deve ser complementado por restrições externas, tais como decisões externas (por exemplo, uma aprovação regulatória ou a entrega de um componente adquirido). Uma vez que o modelo reflete a lógica interna do trabalho e as restrições externas, o cronograma é calculado.

Na realidade, estas etapas não são, de forma alguma, sequenciais. O modelo será ajustado, as restrições serão revistas e o cálculo será repetido a fim de se chegar a um cronograma ideal.

A gama de técnicas disponíveis para modelar, programar e relatar o trabalho envolvido em um projeto, programa ou portfólio é muito ampla. A escolha apropriada da técnica depende do contexto e de quanta informação está disponível no momento em que a programação está sendo feita. Por exemplo, os fatores que afetam a escolha da técnica incluem se o/a:

  • programação está ocorrendo na fase de identificação ou entrega do ciclo de vida;
  • escopo do trabalho é bem definido ou flexível (abordagens tradicionais versus ágeis);
  • cronograma representa um resumo de outros cronogramas;
  • produto é destinado a membros da equipe de entrega ou a partes interessadas externas;
  • trabalho é inerentemente inovador ou incerto.

O uso de métodos de programação de tempo que são inadequados às necessidades do projeto, programa ou portfólio pode causar problemas significativos. Uma abordagem excessivamente complexa é tão ruim quanto uma abordagem simplista, portanto é preciso ter cuidado  para garantir que as técnicas sejam apropriadas e corretamente aplicadas.

O mecanismo mais comum para construir um modelo é um diagrama de redes que é composto de todas as atividades interconectadas necessárias para atingir os objetivos. Esta é a base para estimar e programar o trabalho com crescente sofisticação. A forma mais simples de calcular um cronograma se dá através da análise do caminho crítico (ACC). A ACC calcula as datas de início e término para todas as atividades da rede. Algumas atividades terão flexibilidade (chamadas de folga) e outras não. A sequência de atividades sem folga é referida como o caminho crítico - daí o nome.

A ACC tem duas grandes deficiências. Em primeiro lugar, não leva em conta o efeito sobre o cronograma de recursos limitados. Isto é abordado através de uma análise mais aprofundada durante a programação de recursos. Em segundo lugar, assume uma única estimativa do tempo necessário para realizar cada atividade. A estimativa é uma ciência inexata e é muito mais realista usar uma gama de estimativas de duração em vez de uma estimativa de um único ponto. Isto leva a técnicas estatísticas como PERT ou Monte Carlo.

Qualquer que seja a técnica usada para calcular datas de atividade, os resultados são tipicamente representados como uma forma de gráfico de barras conhecido como gráfico de gantt.

A principal vantagem do diagrama de rede é que ele pode ser frequentemente atualizado com novas informações e rapidamente recalculado. Este é um processo contínuo durante todo o ciclo de vida e utiliza informações sobre o progresso real para prever a eventual conclusão do trabalho.

As atividades no diagrama de rede podem ter custos destinados, bem como durações. Uma técnica que combina o efeito do tempo e do custo como parte do controle do projeto é a gestão de valor agregado. Isto mede o progresso em termos de valor entregue em vez de tempo decorrido e é usado para fornecer previsões mais precisas de progresso futuro e conclusão com base no progresso até a data.

 

Projetos, programas e portfólios

Os diagramas de rede são mais aplicáveis a projetos do que a programas, mas mesmo aqui eles nem sempre são a melhor abordagem. Eles são idealmente aplicados em um projeto tradicional onde há uma especificação para um único produto. Dois exemplos de situações em que eles não são utilizados são:

  • Projetos que produzem múltiplos produtos repetitivos, por exemplo, um projeto de construção de um novo conjunto habitacional. Neste caso, uma técnica como a linha de equilíbrio pode ser mais apropriada;

  • Em projetos ágeis, onde o desempenho das atividades é muito mais fluido e uma especificação completa não está disponível para modelagem no processo de definição. Os projetos ágeis se concentram mais em técnicas como timeboxes e MoSCoW.

A maioria das programações de tempo é realizada com o auxílio de software especializados. Embora estes softwares  forneçam a capacidade de construir e analisar modelos sofisticados de um projeto, eles também fornecem a capacidade de construir modelos muito grandes. À medida que os projetos se tornam maiores e mais complexos, há uma grande tentação de construir modelos cada vez maiores, pois o poder computacional disponível hoje significa que a análise é quase instantânea.

No entanto, a arte da gestão P3 envolve ter um entendimento de causa e efeito aplicado ao trabalho que está sendo gerenciado. Quanto maior e mais sofisticado for o modelo, mais difícil é para um gerente ter uma boa noção de causa e efeito ao tomar decisões. A Análise de sensibilidade pode ser útil para avaliar o impacto de diferentes fatores no cronograma.

Raramente se cria com sucesso um único modelo homogêneo para um programa. Programas e projetos maiores, precisam criar vários cronogramas que podem ser ligados por alguns marcos centrais ou cronogramas dispostos como uma hierarquia. O ideal é que esta série de cronogramas interligados reflita até certo ponto a estrutura organizacional para que os indivíduos possam programar o trabalho pelo qual são responsáveis sem que seu cronograma seja constante e automaticamente alterado por atualizações no cronograma de outra pessoa.

É claro que estes horários não operam isoladamente e as interdependências entre eles devem ser acomodadas. É aqui que os especialistas em planejamento de recursos entram, talvez como parte de um escritório de apoio. Estes especialistas podem avaliar o impacto de um cronograma sobre outro e interpretar as implicações para a equipe de gestão.

As interdependências lógicas entre projetos e programas em um portfólio devem ser mínimas. Se houver dependências significativas entre dois ou mais projetos, por exemplo, a equipe de gestão do portfólio deve considerar se estes seriam gerenciados mais efetivamente como um projeto ou programa independente.

SHARE THIS PAGE
No history has been recorded.

Programação do tempo

Voltar para o topo